skip to Main Content

Medindo o molhamento foliar: melhores práticas e estudo de caso

  • Por Arable Staff

O molhamento foliar é um parâmetro essencial para a planta e possui muitas aplicações agrícolas. A detecção e análise do molhamento foliar no momento certo podem aumentar a proteção de cultivos, diminuir o risco de doenças e melhorar o planejamento do cronograma de irrigação e defensivos.

Abaixo, descreveremos como o molhamento foliar pode ser identificado, apresentaremos um caso de uso diário e discutiremos as melhores práticas para análise de dados.

O que é molhamento foliar?

O molhamento foliar é simplesmente a presença de água na superfície da cultura. Embora isso pareça inócuo, é exatamente o que alguns microrganismos precisam para passar de inofensivos a patógenos destruidores de plantações. Ao monitorar a umidade das folhas, os produtores e seus consultores podem tomar medidas proativas para proteger suas plantações de doenças antes que estas tenham a chance de se estabelecer.

Quando um microrganismo é uma praga?

Figure 1:O triângulo da doença ilustra o fenômeno das doenças das plantas. Baseado no 21st Century Guidebook to Fungi, segunda edição, de David Moore, Geoffrey D. Robson e Anthony P. J. Trinci, atualizado em julho de 2019.

A severidade de um patógeno depende de vários fatores: o ambiente, a planta (hospedeira do patógeno) e o tempo em que esses fatores estão presentes. Bactérias, vírus, fungos, oomicetos e invertebrados só se tornam pragas quando sua população ultrapassa um certo limite e começa a causar danos.

Para que as populações de pragas ultrapassem esse limite, as condições ambientais e vegetais necessárias devem ser atendidas para que o organismo faça as duas coisas mais essenciais da vida: comer e se reproduzir.

O molhamento foliar é um dos indicadores mais comumente utilizados de que um talhão é um local de reprodução e alimentação de pragas. Isso ocorre porque o orvalho fornece um ambiente favorável para a germinação de esporos e a temperatura durante o período úmido determina a taxa de infecção – especialmente para espécies bacterianas, fúngicas e oomicetas.

Como detectamos a umidade das folhas?

Na Arable, monitoramos fatores relacionados à presença de acúmulo de água na superfície e relatamos medições de molhamento foliar. Relatamos a umidade foliar diária porque as horas após a meia-noite são quando as condições ambientais são mais adequadas para a umidade se depositar na superfície das folhas. Sabemos que uma folha está molhada quando a temperatura da folha é igual ou inferior à temperatura do ponto de orvalho (a temperatura na qual o ar esfria para atingir a saturação).

Para detectar a umidade foliar, executamos cálculos com base em quatro variáveis:

  1. Temperatura da superfície (T)
  2. Umidade relativa (UR)
  3. Pressão de vapor (PV)
  4. Temperatura do ponto de orvalho (Tdew)

Primeiro, calculamos a pressão de vapor real no ar, ajudando-nos a entender o diferencial de pressão entre o quão saturado o ar está com água e o quão saturado ele poderia estar.

PV = esatUR

Em segundo lugar, calculamos a temperatura do ponto de orvalho para identificar a temperatura necessária para que o ar fique tão saturado com vapor de água que se condense em líquido.

Tdew = 116.91 + 237.3 log(PV) / 16.78 – log(PV)

Por fim, a saída resulta do modelo exclusivo de Arable, que incorpora medições de umidade relativa, precipitação, temperatura de orvalho e temperatura da superfície para descobrir quanto tempo a temperatura da folha fica abaixo ou igual à temperatura do ponto de orvalho. Este modelo se traduz em uma métrica de duração do molhamento foliar em uma janela de 24 horas.

Figura 2: O gráfico mostra o molhamento foliar (Leaf Wetness) no eixo vertical esquerdo (linha), e a temperatura máxima (Maximum temperature), eixo vertical direito (linha pontilhada), de dois locais da Califórnia, conforme visto na Arable Web.

Com o Arable, você pode descobrir o valor da medição do molhamento foliar. Explore a solução Arable.

Como você pode usar estes dados?

A Arable pode ajudá-lo a prever o nível de ameaça de infestação de pragas, monitorando as condições ambientais que determinam a capacidade de uma praga se alimentar e se reproduzir.

Em combinação com o estágio de crescimento esperado com base no número de graus-dia de crescimento e no estado de saúde da planta (ou seja, Índice de Vegetação por Diferença Normalizada e Índice de Clorofila), as horas de molhamento foliar podem servir como um sistema de alerta para quando monitorar seus campos de perto ou quando para planejar intervenções de prevenção de pragas.

Para usar esses dados de forma eficaz, você pode precisar saber o básico sobre a praga em questão, como:

  • A estação ou estágio de crescimento da planta durante o qual a infecção ocorre em sua região
  • A faixa de temperatura na qual a infecção geralmente ocorre
  • A duração do molhamento foliar normalmente necessária para a infecção

Você pode encontrar ou inferir facilmente essas informações por meio de várias instituições de pesquisa e educação, como a Grupo de Manejo Integrado de Pragas (IPM) da Universidade de Agricultura e Recursos Naturais da Califórnia.

O molhamento foliar afeta a virulência de muitas doenças, incluindo:

  • sarna de maçã
  • ferrugem de cedro
  • ferrugem da batata
  • requeima do tomate
  • podridão de morango
  • Botrytis – podridão de frutas (morango e uva)
  • Mancha marrom cítrica
  • Mancha marrom na pêra
  • Fuligem e sujeira-de-mosca (FSM) (maçã)
  • Oídio da uva

Exemplo de Estudo de Caso

O Míldio do alface (Bremia lactucae), por exemplo, ocorre durante condições úmidas e frias quando as folhas da alface estão molhadas. Escolhas de manejo, como o uso de irrigação por gotejamento em vez de irrigação por aspersão, podem ajudar a reduzir a probabilidade de as folhas ficarem molhadas por tempo suficiente para a infecção. Ainda assim, nada supera a certeza de saber quanto tempo suas folhas ficam molhadas durante condições climáticas incontroláveis, perfeitas para esporulação e infecção de B. lactucae.

O conhecimento combinado do ciclo de infecção de sua praga e o monitoramento agronômico dentro da lavoura com o Arable Mark podem servir como um sistema de alerta para inoculação e ocorrência de sintomas.

Figura 3: Representação esquemática do ciclo de infecção do míldio da alface. As variáveis climáticas foram resumidas separadamente para os períodos da tarde, noite e manhã para corresponder à biologia do patógeno. PST = horário padrão do Pacífico. Modificado de Scherm, H., e van Bruggen, A.H.C. 1994. “Variáveis climáticas associadas à infecção de alface por míldio (Bremia lactucae) na costa da Califórnia.” Phytopathology 84:860-865.

Impulsione a sustentabilidade com a Arable

O molhamento foliar é uma métrica crítica para prever e prevenir infestações de pragas. Compreendendo os fundamentos do ciclo de infecção da praga, em combinação com dados sobre a duração do período de molhamento foliar, você pode desenvolver um sistema de alerta para quando tomar medidas para evitar danos à cultura.

Clique aqui para saber mais sobre como podemos ajudá-lo a aproveitar o poder dos dados para gerar resultados mais sustentáveis e lucrativos.

Back To Top